Sexta-feira, 3 de Novembro de 2006

interromper... ou acabar de vez?

"Não me interrompa, por favor"! Quem é que já não ouviu palavras destas? E quem se exprime deste modo, reconhecendo-se interrompido, ou interrompida, fala assim porque... tenciona falar novamente.

"O jogo está interrompido"? Pois ficamos a aguardar que... prossiga dentro de algum tempo.

"Houve uma interrupção no trânsito". Se vamos no mesmo sentido, poderemos demorar mais tempo mas... há-de chegar a nossa vez de passar.

"O ministro da Economia carregou no interruptor e só vamos pagar seis por cento de aumento". Ficamos todos esclarecidos. Os aumentos (do que pagamos) não acabaram. Prosseguem dentro de momentos. Como um jogo que estava interrompido. Ou o trânsito que esteve momentaneamente parado.

"Temos de apertar o cinto ininterruptamente"? Apenas enquanto o cinto aguentar. Mesmo que o dono já tal não consiga.

E vamos ao raciocínio que se pretende propor. Sem interrupções. Mas não sem, antes, reparar­mos que a linguagem portuguesa está (estará) cada vez mais... corrompida. Embalado nas delícias da terra de sua majestade e embebido em russopetrolífero canto, José Mourinho entra em milionário reclame, a anunciar casas para "alugar".

Quando se pensava que há casas para "arrendar". E um anúncio radiofónico fala do advérbio "a partir de" (esclareça-se que a frase é bem pronunciada e seja permitido perguntar se sabe escrevê-la quem fala... de advérbios destes).

Quer agora o nosso não interrompido Governo que nos pronunciemos sobre a legalidade da "interrupção voluntária da gravidez, por decisão da mulher...".

Há na pergunta coisas surpreendentes.

"Voluntária", diz-se. Claro. Admitiam que fosse involuntária? Se não admitem por que escrevem assim? Por decisão da mulher? Então não se tem defendido que a mulher é a única responsável pelo que se passa consigo? E vão os outros decidir sobre o modo de ela proceder? E o que quer dizer interrupção? Não tem o mesmo sentido para todos? Os dicionários estão errados? Andam uns a interromper raciocínios e outros a acabar... com vidas, dizendo que se trata, apenas, de interrupção? Custava muito ser claro?

Não era muito mais democrático perguntar, por exemplo: "Concorda que o casal (ou a mulher, se não houver casal) decida, sem consequências penais, acabar com o amontoado de células indiferenciadas que a mulher traz dentro de si, em qualquer momento da gravidez?"

Ganhava a clareza de linguagem e ganhava-se tempo. Pois, se ganhar o sim ao aborto, o próximo referendo não poderá ser proposto pêlos adeptos do não. Mas será para dar mais um salto nas semanas. Até que, de semana em semana, se esgote o tempo...

Estava nestas divagações quando me lembrei das seguintes palavras: "Uma vida humana é um continuum com origem no momento da fecundação...

Um embrião humano poderá não ser considerado pessoa mas ninguém pode negar que reúne em si toda a potencialidade para vir a ser pessoa... O embrião humano é um fim em si e tem uma dignidade intrínseca des­de a sua concepção, que torna inaceitável a sua instrumentalização como se de um objecto se tratasse. O embrião humano, sendo uma nova vida humana, não é propriedade de ninguém e neste ninguém incluem-se os pais".

 Para quem não souber de quem são tais ensinamentos, tenha-se presente que foram escritos pelo professor doutor Fernando Regateiro no "Manual de Genética Médica". Não era por ele ter sido (penso eu) favorável ao encerramento do SAP da Mealhada que ia esquecer as suas palavras. Quem o desmente? Sem interrupções... de raciocínio?

....

In: Correio de Coimbra,26Out06

Abílio Simões Duarte

publicado por lamire às 20:33
link do artigo | comentar | favorito
2 comentários:
De Ver para crer a 8 de Novembro de 2006 às 12:50
Obrigado pela nota no meu blog.
O Abílio escreve bem, não há dúvida.
De lamire a 9 de Novembro de 2006 às 14:10
retirei um comentário de alguém que se intitulou
Maria João. O comentário está correcto com o nosso pensamento e reproduzimos:
"E vamos todos unidos interromper o voto"sim" no referendo.
Ou seja, votemos "não". Digamos "não" para dizer"sim" à vida.
Obrigado por este magnífico texto.
Um abraço em Cristo"
A assinatura canalizava para um blog que deixa somente publicidade enganosa. por isso retirámos o link. As nossas desculpas.

comentar artigo

.Março 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.links

.pesquisar

 

.artigos recentes

. Exposição de Desenho, esc...

. XVIII Encontro SIC em Pom...

. Nesta noite de Natal

. Cónego Adriano Santo: Obr...

. Parabéns duplicados

. Faleceu o Celestino Mende...

. Pai de Padre Luís Leal, P...

. Padre de Lúcia já é bispo

. Operação Permanente de So...

. 17 encontro dos ex aluno...

. Religião: D. João Lavrado...

. AIC homenageia Cónego Adr...

. Centenário de Mons. Raul ...

. Cónego Dr. Manuel Paulo f...

. Al-BAIÄZ, Associação de D...

. Grupo de Ex funda OPS com...

. João Dias na despedida de...

. Família de quatro vive se...

. 25 anos de Bispo

. Reconhecimento Merecido

. Testemunhos vivos

. Bodas de ouro sacerdotais...

. Programas de Solidariedad...

. Ex.s - DEZ MANDAMENTOS

. Recado do Papa aos Bispos

.arquivos

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

.temas

. todas as tags

.subscrever feeds