Domingo, 1 de Outubro de 2006

PROF. DOUTOR NOGUEIRA GONÇALVES

 

Conhecemo-lo na casa dos seus sessenta, homem robusto, apoiado na sua bengala, e sempre de apresentação impecável: posição bem vertical, batina e capa sempre limpas e escovadas, e penteado bem alinhado. Sofria, no entanto, de um descontrolo nervoso que, por vezes, nos deixava assustados. Tratava-nos por ´ó filhos`, sendo conhecido, em troca, na gíria seminarística, pela alcunha de ´paizinho`.

Homem de grande valor intelectual, creio que autodidacta na maioria dos seus conhecimentos, atingiu por mérito próprio o grau de professor universitário na disciplina de História da Arte, publicando o Património Artístico e Cultural, tendo para isso corrido o país de lés-a-lés.

Monárquico convicto, ai de quem na sua presença ousasse desferir qualquer inconveniência contra o sagrado e real trono. Creio que chegou mesmo a ser preceptor ou educador do actual Duque de Bragança e irmão.

Parecia mesmo ter estacionado as suas vivências nesse ambiente monárquico-romântico.

Foi nosso professor nesta disciplina e ainda na de Literatura Romântica, uma vez que a moderna parecia erradicada dos conhecimentos no Seminário, talvez porque julgada perigosa e desnecessária.

As suas aulas eram dadas na ´Sala dos Bichos`, onde havia uns armários com toda a espécie de bicharada embalsamada. Também aqui as mesas e os bancos eram corridos, tipo escola medieval, situando-se a mesa do professor em cima de um estrado após o qual, no meio, ao fundo, havia uma grande porta que ligava com o laboratório de Química. E do lado da mesa, em relação ao professor, articulava-se eréctil o esqueleto verdadeiro dizia-se - de uma mulher alemã.

Nogueira Gonçalves parecia, pois, talhado para a docência, nas referidas disciplinas. Tivera um tio padre, no quase inacessível Piódão, que veja-se lá! - aqui instalou um colégio. Teve este, nos conturbados tempos da Implantação da República, ampla fama, chegando a ser frequentado pelo pai do Dr. Álvaro Cunhal e servindo de refúgio aos alunos do Seminário, quando os homens da República ameaçavam tudo o que cheirasse a religião. Era um paciente e exímio artista este seu tio, trabalhando a madeira em filigranas de ressaibo gótico. Deixou ampla obra espalhada por altares e portas de capelas e igrejas, um pouco por todo o lado: no seminário da Figueira, na capela de Nossa Senhora de Lourdes do Seminário de Coimbra, na Casa dos Retiros, etc.

A propósito, no último encontro da Figueira, disse o Manuel Fernandes, de Anseriz, que andava a recolher, fotografando com empenho, todo este espólio.

Pois também do Paizinho há belas e inesquecíveis estórias.

A peste dos seminaristas sabia bem como provocar situações.

Como era de bom coração, era o confessor mais procurado pelos semis que tinham assim algum pecadito mais recatado, dado que, então, havia a obrigação da confissão semanal. Mas, a maré tinha que ser previamente analisada, quando não vinha-se de lá corrido:

- Ó filho, foge, que eu racho-te com a bengala!

Claro que o freguês seguinte lá guardava a absolvição para mais tarde e boa catadura.

Uma manhã aparece o Paizinho para celebrar Missa, como sempre, na Capela de Nossa Senhora de Lourdes, cujo altar era da lavra de seu tio. Ora o ratão do semi, para o ouvir, o que faz? Coloca, em cima do armário da Sacristia, a alba mais pequena que havia nos gavetões. O Paizinho, com aquele corpanzil todo, bem a tentou enfiar, mas, não conseguindo, diz muito zangado para o semi sacristão de serviço:

- Ó filho, dá-a ao Amado, dá-a ao Amado!...

O Amado era, então, professor de Teologia Moral e homem de muito baixa estatura.

No dia que, no calendário litúrgico, se celebrava Santa Perpétua e Santa Felicidade, no fim da Missa, volta-se ele para o ajudante e sai-se muito desconsolado:

- Ó filho, aqui estão dois nomes que as mulheres nunca deviam ter. Já viste a infelicidade que era ter de aturar uma mulher perpetuamente? Quanto mais agora duas!...

Era um bom professor de História da Arte. Por isso, logo na primeira aula, fazia questão de ensinar:

- Ó filhos, é História da Arte, História da Arte. Não é história d’arte!...

Qualquer pergunta que fizesse ao aluno, tinha adiantada, por si mesmo, metade da resposta. Era só concluir.

Já se sabia: aluno em cuja terra houvesse monumento ou igreja de valor devia preparar-se para o exame nessa base. Assim, um dia, aconteceu a um aluno que era das bandas do Porto.

- Ó filho, donde é que o senhor é?

- Sou do Porto, sr doutor.

- Ah! É do Porto? Então conhece bem a Sé, não conhece? Diga-me lá de que estilo é?

- É do estilo gótico!- respondeu o aluno meio embasbacado.

- Disseste bem, ó filho, disseste bem! Era para ser do estilo gótico, sim senhor, mas aquelas bestas enganaram-se e fizeram-na do estilo românico.

E o aluno passou, não sei se com distinção, pois nunca reprovava ninguém a não ser que dissesse inconveniências contra a monarquia. Aí a coisa piava tão fino que podia ir até à exibição da pistola como daquela vez em que, no refeitório do seminário, por a sopa ter bispo, os já semis da modernidade cantaram a Maria da Fonte.

Nas aulas de literatura, as ocorrências estóricas eram outras tantas.

Porque era um homem de grande instabilidade emocional, como de resto os bons artistas, qualquer ocorrência dramática, real ou fingida, resultava-lhe num mar de lágrimas.

Aquando da inauguração do busto de D. Nicolau Giliberti, primeiro reitor do Seminário de Coimbra, cantou o grupo coral, sob a direcção do Dr Manuel Reis, entre outras peças, o belo hino das arenas ´César, ceux qui vont mourir te saluent!` Pois chorou, chorou o nosso homem e na aula de Literatura da manhã seguinte ainda comovidamente exclama:

- Ó filhos, não sou digno de estar ao pé de tão grandes artistas! Não sou digno.

Mas vê-lo chorar do fundo do coração era quando nos lia o Frei Luís de

Sousa:

- « Romeiro, romeiro, quem és tu?»

- « Ninguém.»

- Ai! filhos, é tão lindo! - E com as lágrimas a escorrer pela cara abaixo, dava a aula por terminada, mandando-nos sair. Claro que, na aula seguinte, lá vinha de novo o pedido de repetição da leitura deste diálogo, baseado em qualquer pergunta despropositadamente a propósito.

Chorava também efusivamente quando lia a história do velho Roble, de Alexandre Herculano. Esse que já nos tinha reconfortado com a sua sombra nos ardentes estios, que já tinha deliciado a nossa vista com a sua frondosa copa, agora, mesmo depois de malvadamente derrubado, ainda revela a sua nobreza ardendo no canto da lareira, dando luz, aconchego e calor a toda a casa.

Tinha, finalmente, Nogueira Gonçalves, um horror inato às humidades, ao frio e à morte. Por isso, não se cansava de nos aconselhar:

- Ó filhos, agasalhem-se bem! Encostem-se uns aos outros e cubram-se com as vossas capas. Vistam-se com os farrapinhos todos. Se eles estiverem rostos, vistam-nos ao contrário uns dos outros de forma a que os buracos não coincidam. Desde que estejam bem lavadinhos não faz mal! Olhem que nós, quando somos jovens, não sabemos as asneiras que fazemos. Mais tarde é que as pagamos!...

- A morte!... Ó filhos, só de imaginar aqueles bichos todos à volta do nosso corpo e aquele frio húmido, que horror!...

A aula de literatura era, pois, na sala acima referida. Ora a porta do Laboratório, que ficava por detrás da cadeira do professor, tinha um daqueles grandes buracos das fechaduras antigas. Não nos apetecendo lá muito ter aula em certa manhã de Inverno húmido e frio, resolveu-se deixar aberta a janela do laboratório por onde embocava um serrano levado de mil diabos que, com forte e comprimida rajada, atravessava o dito buraco, chiando e batendo em cheio nas costas do professor:

- Ó filhos, vamos embora, que isto hoje parece uma metralhadora!...

Também para não terem aula e verem a reacção do professor, determinado ano o que havia de resolver? Electrificar o maxilar inferior do dito esqueleto, tipo batente da campainha. Então, quando se accionava o circuito, o esqueleto batia castanholas, com os dentes rangendo uns nos outros. À primeira, o professor achou estranho. Mas, quando a operação se repetiu, não se conteve e exclamou:

- Ó filhos, vamos embora, que o frio hoje é tanto que até o esqueleto bate o dente. Agasalhem-se bem, filhos, agasalhem-se bem!

------

Fernando Neves [f_neves@mail.pt]

 

publicado por lamire às 22:31
link do artigo | comentar | favorito
|

.SIC

.Março 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.links

.pesquisar

 

.artigos recentes

. Exposição de Desenho, esc...

. XVIII Encontro SIC em Pom...

. Nesta noite de Natal

. Cónego Adriano Santo: Obr...

. Parabéns duplicados

. Faleceu o Celestino Mende...

. Pai de Padre Luís Leal, P...

. Padre de Lúcia já é bispo

. Operação Permanente de So...

. 17 encontro dos ex aluno...

. Religião: D. João Lavrado...

. AIC homenageia Cónego Adr...

. Centenário de Mons. Raul ...

. Cónego Dr. Manuel Paulo f...

. Al-BAIÄZ, Associação de D...

. Grupo de Ex funda OPS com...

. João Dias na despedida de...

. Família de quatro vive se...

. 25 anos de Bispo

. Reconhecimento Merecido

. Testemunhos vivos

. Bodas de ouro sacerdotais...

. Programas de Solidariedad...

. Ex.s - DEZ MANDAMENTOS

. Recado do Papa aos Bispos

.arquivos

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

.temas

. todas as tags

.subscrever feeds