Quinta-feira, 8 de Dezembro de 2005

Crucifixos

---------------------------------------------
O Estado não deve obrigar a afixar crucifixos, mas não vejo porque razão há-de mandá-los retirar, quando tal decisão contraria localmente as pessoas (as mesmas que o Estado representa)
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
Surpreendentemente, a existência de crucifixos em duas dezenas de escolas públicas deu origem a um debate aceso sobre a natureza laica do Estado e a separação entre o estadual e o religioso.
Como se estivéssemos perante uma situação generalizada e como se houvesse um tentativa de confundir aquilo que pertence a césar e aquilo que é de Deus.
Quem ler alguma da argumentação publicada, nos últimos dias, pode até ficar com a ideia de que a Igreja pretende colocar crucifixos em todas as escolas públicas.
O que não é o caso.
A natureza laica do Estado não oferece dúvidas; acontece que a nação, em si mesma, está longe de ser laica.Se uma escola, na sua autonomia, entender afixar um crucifixo é por considerar que uma tal decisão é pacífica na comunidade que serve e vai ao
encontro do desejo local.
O Estado não deve obrigar a afixar crucifixos, mas não vejo porque razão há-de mandá-los retirar, quando tal decisão contraria localmente as pessoas (as mesmas que o Estado representa).
A obsessão da neutralidade conduz-nos ao mito da escola "bacteriologicamente pura", descontextualizada e purificada (por assim dizer) de valores e princípios que corram o
risco de remeter para o universo cristão.
Quando, nalgumas matérias, os programas escolares favorecem avaliações do mundo e da vida flagrantemente contrárias às da Igreja, o Estado não está então a violar o mesmo
princípio da neutralidade? Ou essa violação
O Estado não deve obrigar a afixar crucifixos, mas não vejo porque razão há-de mandá-los retirar, quando tal decisão contraria localmente as pessoas (as mesmas que o Estado representa) só se produz quando o Estado se limita a acolher os desejos de uma comunidade que gosta de rever, nos espaços públicos, a sua matriz cristã?
Quando, por exemplo, os dignitários da Igreja surgem em lugares de evidência em cerimónias públicas, não o fazem, seguramente, por desejo individual de protagonismo,
mas sim pelo facto de serem expressamente convidados por responsáveis públicos que parecem reconhecer, desse modo, a matriz cristã das comunidades que dirigem.
Se o Estado, em qualquer parte do mundo, pretender ignorar e fizer tábua rasa da matriz religiosa específica (seja ela qual for) da sociedade que representa, não está
a ser laico, mas laicista. Não se trata de privilégios, mas de saber interpretar o sentimento da população de uma determinada zona ou região.
E não vale a pena confundir o debate, regressando ao estafado argumento da Concordata de 1940, apresentada como produto de uma perversa ligação entre a Igreja e o Estado Novo.
Tal como ninguém pretende actualmente qualquer confusão obscura entre o Estado e a Igreja, também não se pode ignorar que a Concordata de 1940 foi duramente negociada, originando, na altura, enorme tensão entre a Igreja e Salazar.
Um mês depois de centenas de milhar de pessoas terem saído à rua para professar a sua Fé, durante o Congresso Internacional Tara a Nova Evangelização, estamos, novamente, reduzidos a uma discussão empolada e recheada de propaganda. Porquê?
......................................................
in: Correio da Manhã, pág02,Crucifixos-Impressões (José Luís Ramos Pinheiro)
publicado por lamire às 01:26
link do artigo | comentar | favorito
|

.SIC

.Março 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.links

.pesquisar

 

.artigos recentes

. Exposição de Desenho, esc...

. XVIII Encontro SIC em Pom...

. Nesta noite de Natal

. Cónego Adriano Santo: Obr...

. Parabéns duplicados

. Faleceu o Celestino Mende...

. Pai de Padre Luís Leal, P...

. Padre de Lúcia já é bispo

. Operação Permanente de So...

. 17 encontro dos ex aluno...

. Religião: D. João Lavrado...

. AIC homenageia Cónego Adr...

. Centenário de Mons. Raul ...

. Cónego Dr. Manuel Paulo f...

. Al-BAIÄZ, Associação de D...

. Grupo de Ex funda OPS com...

. João Dias na despedida de...

. Família de quatro vive se...

. 25 anos de Bispo

. Reconhecimento Merecido

. Testemunhos vivos

. Bodas de ouro sacerdotais...

. Programas de Solidariedad...

. Ex.s - DEZ MANDAMENTOS

. Recado do Papa aos Bispos

.arquivos

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

.temas

. todas as tags

.subscrever feeds